Minicontos

Réquiem para Teresa

Notáveis os olhos de Teresa. Grandes. Inspiravam saudades não sei de quê. Por vezes eu tive vontade de comê-los. Hoje me contentaria em beijá-los. Impossível, pois a matei. Pior: acusei-a de nunca ter existido, mesmo reconhecendo que mentia. Teresa hoje é nada, um nadinha varrido para baixo do tapete, lá onde frequentemente tropeço.


(em Meu sonho acaba tarde, WS Editor, 2000)


27/09/2010

 

 

Site elaborado pela metamorfose agência digital - sites para escritores